quarta-feira, 22 de julho de 2009

Um pequeno sinal de vida...


Eu larguei esse blog às moscas a alguns meses atrás. Estágio, escola e casa naõ me deixavam dedicar o tempo que eu queria a esse passatempo delicioso que é escrever aqui. Agora, com o triste fim da CEFETEQ e o começo de mais uma nova etapa, pretendo dedicar muito mais tempo a posts de filmes que assisti - antigos ou novos - e pretendo também abrir meus horizntes para novos cineastas, novos países e, assim, conhecer mais e mais o mundo maravilhoso do cinema.

Para comemorar esse retorno, vou falar de dois filmes de uma vez só! O primeiro, 'A mulher invisível', não foi nada do que eu esperava. Achei que fosse ser um comédia boboca e saí do cinema derpimida! Confuso, não? Pois é, o Selton Mello encheu o personagem de uma carga tão grande que eu acabei sentindo uma pena enorme dele, do estado dele nas situações em que ele falava sozinho. Enfim, muito deprimente... Mas achei melhor assim. Melhor que aquelas piadas de cunho sexual que eu não acho a mínima graça!

O outro foi 'Harry Potter e o enigma do princípe'. Primeiramente, eu só vejo os filmes do HP porque sou fã dos livros. Reconheço que as adaptações saem bem ruinzinhas e que, na amioria das vezes, eles explicam tão mal que quem não leu o livro sai com a sensação de que dormiu e perdeu um pedaço. No entanto, nesse caso específico, eu mal lembrava da história, então pude ver o filme analisando mais como cinéfila do que como pottermaníaca. Primeiramente, eu não paguei pra ver Malhação! E, por isso, não queria ver A Mione chorando pelo Rony ou a Gina chorando pelo Harry, porque isso eu posso ver na minha casa, de graça, às cinco e meia da tarde, na gRobo..Achei uma bobagem frisarem tanto as cenas de romance e darem menos atenção ao Príncipe Mestiço, ao drama do Draco, ao Dumbledore e ao Voldemort. Afinal, isso é Harry Potter! A cada ano a situação fica mais séria no mundo bruxo e parece que os três personagens principais só querem saber de beijo na boca. Adolescentes, sim! Mas não fúteis. No livro tem romance, tem amor, mas a J.K. Rowling sabe definir suas prioridades...
Os efeitos especiais eu nem preciso comentar, né? São perfeitos. Mas não fazem mais que obrigação deles, porque destruir a história já é demais, se eles ainda quiserem destruir visualmente, já era.
O roteiro é fraco. Tem umas piadas muito sem graça e detalhes que só estão lá para desviar nossa atenção da história, sabe-se lá porquê. Tem muitos outros errinhos também, outros detalhes que fazem dos filmes de Harry Potter realmente muito fracos. Poderia ser melhor se não fosse tão comercial. Mas isso seria impossível. Quase magia!

Um comentário:

  1. ruinzinho demais, o dumbledore se assemelhava muito com o gendalf, e nao era só fisicamente, eu tinha a imprssao q a qualquer momento ele bradaria com o harry "The ring must be destroyed!!!" nfim, nao curti como toos os outros filmes, muito comercial mal explicado e se tivesse a direçao de quentin tarantino seria melhor.

    ResponderExcluir