segunda-feira, 17 de maio de 2010

"The Goonies" - como é bom ser criança!


Ele tem alma de criança, uma imaginação muito fértil e é o "rei" dos blockbusters. É também o cineasta que melhor representa uma criança na grande tela, que mais entende seu mundo e seuas atitudes. Esse cara é Steven Spilberg, responsável por sucessos como "Tubarão", "Indiana Jones" e "Superman" e, claro "Os Goonies". Feito em 1985, dirigido por Richard Donner e escrito por Chris Columbus (dos dois primeiros Harry Potter) e Spilberg, "Os Gonnies" é um clássico. A história de um grupo de amigos, formados por Mikey, Brand, Bocão, Dado e Gordo, que encontram o mapa do tesouro do pirata Willie Caolho e partem em busco do ouro na esperança de salvar suas famílias do despejo, marcou toda a geração 80 e encanta os espectadores até hoje. Inclusive eu.


O SBT tem esse quê especial de passar uns filmes legais que ninguem mais passa. É claro, no meio de trocentas bombas, mas de vez em quando dá para pescar um filmaço. E semana passada, o Silvio exibiu no SabadoCine "Os Gonnies". Eu parei em frente à tv na expectativa de ver esse filme que nunca tinha visto. Já tinha lido, visto foto, ouvido falar... Tem horas que eu percebo que, apesar de ser cinéfila, não vi filme quase nenhum!


"Os Gonnies" é um filmaço, posso dizer com toda a certeza. Mistura comédia, drama, aventura e amor em uma hora e meia que você nem sente passar. Eu fiquei particularmente feliz de encontrar um filme de criança em que elas não são idiotas ou extremamente infantilizadas. Os personagens principais do filme saem em busco do tesouro preocupadas com o despejo de suas famílias, ou seja, elas nao são burras ou alienadas. Se enchem de coragem para salvar a cidade que será transformada em um enorme campo de golfe! (eu entendi direito?!) . Isso é uma marca de Spilberg, que sempre faz crianças mais profundas, como o garoto Elliot, de "E.T."


Porém, entretanto, contudo,todavia, eles ainda são crianças. E o mais legal é vê-las ainda se comportando como crianças. Essa história de acreditar em pirata, que criança nunca quis ir atrás de um tesouro de verdade? Tem outra coisa legal: eles saem por aí de bicicleta! Pode parecer estúpido mas eu achei isso tão legal! As crianças andam tão computadorizadas hoje em dia que é muito maneiro ver que se pode ter uma aventura com coragem e uma bicicleta!


Outra coisa marcante no filme é a família Fratelli. São bandidões bem malvados, liderados pela Mamma, que se escondem bem no restaurante abandonado onde as crianças acham que o teouro está. Ela tem três filhos: dois bandidos, meio confusos e doidos, mas ainda bandidos; e o monstro Sloth, o personagem mais marcante do filme. Ele caiu do berço várias vezes quando era criança e cresceu preso a correntes. Do decorrer da história, depois de assustar muito as crianças, ele faz amizade com Gordo, com quem compartilha uma paixão: chocolate. Na verdade, Sloth tem um bom coração e não é violento. Ele é só grande demais e, por ser deformado, acaba assustando as pessoas, mas sem querer.


"Os Gonnies" é portanto um filme raro. Pelo menos pros padrões atuais ele é. Não se fazem mais filmes como esse atualmente, onde as crianças ganhavam um show de imaginação, e não um show de efeitos especiais sem magia nenhuma. É isso que falta no cinema: magia! E para se ter magia não precisa de efeitos mirabolantes ou pirotécnicos. Crianças querem aventura, querem se sentir dentro do filme, querem é passar duas horas sonhando que é possível encontrar um mapa, um pirata, um tesouro. Que eu também posso ir lá, de bicicleta, encarar bandidões e viver uma aventura inesquecível. E isso tudo é em parte responsabilidade daquele cara com alma de criança, que adora uma aventura. Vlaeu Spilberg, por mais esse filmaço! A criança dentro de mim agradece!

Nenhum comentário:

Postar um comentário